Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish
Mais de 5 milhões de toneladas de produtos agrícolas e industriais foram escoados pelos trilhos da Companhia no mês passado. A Rumo encerrou setembro com novos aumentos de eficiência no transporte de cargas agrícolas e industriais. No mês passado, a operadora ferroviária transportou um total de 5,1 milhões de toneladas, 10% a mais do que o obtido em setembro de 2017, quando fechou o período com 4,6 milhões de toneladas. O bom desempenho operacional da Rumo se manteve em suas duas operações instaladas no País, especialmente no que diz respeito ao transporte de grãos. Na Norte, onde fica o principal corredor de exportação de commodities agrícolas, conectando Rondonópolis (MT) ao Porto de Santos (SP), foram escoados 2 milhões de toneladas, quantidade 19% acima do mesmo período de 2017. Na Operação Sul, o crescimento foi de 5,9%, com 1,08 milhão de toneladas passando pelas ferrovias dos três estados da Região Sul…
A Rumo quebrou novos recordes no mês de agosto em sua Operação Sul, que abrange ferrovias nos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, parte de São Paulo e do Mato Grosso do Sul. O principal destaque foi o aumento de 14% no volume total de grãos (soja e milho) transportados em comparação ao mesmo mês do ano passado. Foi escoado 1,18 milhão de toneladas de produtos agrícolas para os principais portos da região, que são os de Paranaguá (PR) e São Francisco do Sul (SC). O desempenho de agosto foi o terceiro melhor resultado histórico da Companhia na Operação Sul. Os dois primeiros ocorreram também neste ano, nos meses de março (1,25 milhão) e abril (1,21 milhão). Outro recorde na região foi no estado do Rio Grande do Sul: a Rumo transportou 303 mil toneladas de grãos no mês passado, marcando os 31 dias como o melhor…
O reajuste médio de 5,5% na tabela do frete anunciado há duas semanas vai custar R$ 1,09 bilhão ao comércio brasileiro até o fim deste ano, segundo cálculo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) obtido com exclusividade pelo Estadão/Broadcast. O resultado deve ser um achatamento da margem de lucro dos negócios. Diante do cenário de atividade econômica fraca, os comerciantes não terão espaço para repassar a elevação do custo com transportes aos preços das mercadorias vendidas aos consumidores, avaliou Fabio Bentes, chefe da Divisão Econômica da CNC. “A grande consequência é o sacrifício da margem, investimentos mais fracos e menos contratações de funcionários”, diz Bentes. “Alguns comerciantes vão acabar repassando para os preços, mas outros não vão conseguir e vão ter que sacrificar margem. Isso vai afetar a recuperação, a abertura de lojas e a geração de vagas. Tudo fica mais lento com esse gatilho…
O centro de distribuição da Avon em Cabreúva (SP) envia 100 mil caixas com produtos para suas revendedoras por dia, cada uma preenchida por um conjunto de, em média, 30 itens diferentes.   Para que os itens sejam selecionados corretamente, o local tem 15 quilômetros de esteiras. Elas levam as caixas de um lado para o outro, com etiquetas informando o que deve ser colocado.   No caminho estão leitores de códigos de barras, sensores e balanças que identificam as caixas e conferem o conteúdo. Com as informações, o sistema define para onde cada uma deve seguir.   A maioria dos produtos é selecionada sem interação humana. Eles ficam armazenados no alto, empilhados no interior de uma série de colunas verticais sobre a esteira e são soltos sobre as caixas no instante em que elas passam.   Felipe Votto, diretor de logística da Avon para o Brasil, diz que a…
A Rumo irá iniciar neste semestre um estudo sobre o panorama tecnológico da ferrovia em 2040. Em parceria com o SENAI, a ação faz parte de um conjunto de projetos focados em pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) para fortalecer a evolução do modal no Brasil. A primeira fase da pesquisa contempla uma oficina de trabalho entre representantes e especialistas da área, a fim de analisar a situação atual das ferrovias e discutir os impactos das mudanças sociais e tecnológicas. A partir do encontro, os resultados serão sistematizados para apontar desafios e tendências do setor ferroviário nas próximas décadas. “É uma iniciativa com visão de futuro e que pretende facilitar o planejamento das operações a longo prazo. Este primeiro levantamento é essencial para estruturar a linha de pesquisa que será adotada”, explica o diretor de Tecnologia da Rumo, Roberto Rubio Potzmann. Os estágios seguintes estão previstos para 2019 e consistem na…
A MRS Logística, com sede em Juiz de Fora (Zona da Mata), pretende contratar um empréstimo de até US$ 50 milhões do Banco Mufg Brasil, subsidiária brasileira do Bank of Tokyo-Mitsubishi UFJ, maior instituição financeira do Japão. Os recursos serão usados para alongar o perfil de endividamento da companhia. As informações constam na Ata da Reunião do Conselho de Administração da companhia, realizada no dia 31 de julho e comunicada ontem, na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo). De acordo com o documento, a operação foi autorizada, por unanimidade, pelos conselheiros da MRS. Ainda conforme o documento divulgado, o prazo final de vencimento do empréstimo será em até cinco anos, contados a partir da data de contratação, que não terá realização de garantia. O objetivo da transação é de alongar o perfil de endividamento da companhia. A MRS deve divulgar o balanço financeiro do segundo trimestre e primeiro semestre…
A Rumo, considerada a maior operadora de ferrovias do Brasil, está reestruturando a capacidade operacional dos terminais que administra nos Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, com investimento estimado em R$ 250 milhões. O objetivo é aperfeiçoar o atendimento às cooperativas, indústrias e produtores da região, informa a empresa, em comunicado. Em Rondonópolis (MT), o terminal foi estruturado com 9 tombadores e 2 moegas, que possibilitam descarregar 70 caminhões por hora. A estrutura tem, ainda, um armazém com capacidade estática de 45 mil toneladas e 2 linhas ferroviárias com 5 tulhas, permitindo carregar 32 vagões por hora. Por dia, o local tem uma movimentação média de 7 composições com 80 vagões de grãos. Além disso, no primeiro semestre, a empresa deu início ao Projeto Fertilizantes dentro do complexo do terminal. Em parceria com a JM-Link, a estrutura passou a ter um suporte com duas linhas de entrada…
A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) prorrogou para até 24 de setembro o prazo para o recebimento de contribuições da sociedade sobre o pagamento do escaneamento de contêineres nos portos brasileiros. Exportadores, representantes de terminais portuários e da indústria discutiram a modalidade de cobrança do procedimento, em Brasília, mas não houve consenso. A polêmica se arrasta há, pelo menos, dois anos, quando a Receita Federal determinou o escaneamento de todo os contêineres destinados à Europa que passam pelos portos brasileiros. Por determinação da Aduana, os equipamentos foram instalados pelos próprios terminais portuários em suas áreas de pátio. “Como o tema é complexo, a diretoria da Antaq acredita ser razoável a prorrogação da consulta pública para que a sociedade tenha mais tempo para enviar suas contribuições”, ponderou o diretor-geral do órgão regulador, Mário Povia. Para as associações que representam os terminais portuários, a regra elevou os custos diretos e indiretos…
A empresa criou um programa de aceleração e levará empreendedores ao Vale do Silício Uma das cinco maiores operadora de logística do país, com receita líquida de R$ 1,08 bilhão em 2017, a Tegma criou no ano passado uma unidade para acelerar startups: a TegUp. Os primeiros resultados começam a aparecer. A TegUp atraiu 64 startups no ano passado para um processo seletivo, que resultou em 12 companhias participando de um dia de apresentações e mentoria com executivos da Tegma e de empresas parceiras. Por fim, quatro foram escolhidas para parcerias em diferentes níveis. Uma delas recebeu aporte de dinheiro. “Queremos provocar uma transformação na área logística do Brasil com um projeto ambicioso”, afirmou Pedro Neves, diretor de Inovação, Tecnologia e Processos da Tegma e líder da TegUp, em entrevista a Época NEGÓCIOS Online. Fonte: Época Negócios
Pagina 1 de 3