Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish
Navios de contêineres de grande porte já são uma realidade no mundo da navegação e a tendência é que eles cresçam ainda mais. Para receber essas embarcações e atender as suas exigências, o Sepetiba Tecon está executando um plano estratégico para ampliação e modernização do terminal que prevê a capacitação para recebimento de navios da classe New Panamax de até 366m de comprimento (LOA) e 51m de largura (Beam). Além de dispor de excelente acesso terrestre, o Sepetiba Tecon conta com fatores naturais que favorecem a atracação desses navios, como o amplo canal de acesso, berços de grande profundidade e águas protegidas pela Restinga de Marambaia, que com seu relevo topográfico separa as águas da baía das águas do oceano. Essas características fazem com que o mar seja calmo, seguro e propicio à navegação. Para ampliar ainda mais a sua capacidade, o terminal concluiu a dragagem da bacia de evolução,…
Mais um grande operador internacional de portos estuda desembarcar no Brasil. A Terminal Link, uma sociedade entre o armador francês CMA CGM e a China Merchants Holdings International, firmou um acordo de exclusividade com a brasileira Libra. O objetivo é estudar os ativos portuários do grupo controlado pela família Borges Torrealba, que tem nos terminais de contêineres nos portos de Santos e do Rio seus principais negócios. Já há due dilligence em curso, apurou o Valor. A Terminal Link está sendo assessorada pela Ernst Young e a Libra conta com o apoio do Lazard. A perspectiva é que, caso a negociação evolua, uma proposta firme ocorra ainda no primeiro semestre. Procuradas, Terminal Link e Libra não se manifestaram até o fechamento desta edição. À Terminal Link interessaria ser majoritária no negócio de portos da Libra, mas a eventual fatia não está definida. Criada em 2001, a operadora mundial de terminais…
Através da simplificação dos fluxos de gestão empresarial é possível criar valor às operações dos clientes. Deseja sabe como otimizar custos e reduzir esforço aplicado para obtenção de resultados superiores? O curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção - Lean Manufacturing (Manufatura Enxuta), programa lato sensu da Universidade Católica Petrópolis, fornece uma base conceitual, metodológica e prática nas áreas de conhecimento da Instituição, que tradicionalmente possui experiência nas respectivas áreas pelo investimento e dedicação à pesquisa acadêmica.   As aulas são ministradas por profissionais que praticam intensamente esta metodologia em suas organizações, isto é, os professores são profissionais que atuam no mercado, absolutamente engajados na transformação do comportamento dos profissionais pois afirma que toda iniciativa Lean precisa estar embasada em propósitos claramente definidos e orientados à criação de valor para o cliente. As aulas objetivam uma sólida padronização e estabilização dos processos e serviços corporativos, viabilizando a melhoria contínua através de diversos métodos e…
A primeira torre de controle do Porto de Santos, no litoral de São Paulo, já está pronta para operar. O equipamento construído na Ilha Barnabé faz parte do Sistema de Gerenciamento de Informações do Tráfego de Embarcações (VTMIS), que permite ter em tempo real informações de todas as embarcações que estão no canal de navegação do Porto. A torre da Ilha Barnabé é a primeira de quatro que estão previstas no projeto. As torres de monitoramento restantes serão instaladas ao redor e no interior do complexo marítimo: uma na costa de Guarujá, outra na Ponta de Itaipu (Praia Grande) e a terceira nos arredores do terminal da Dow Química (na entrada do canal, em Guarujá). Cada torre terá um radar, uma câmera de alta definição e um transponder AIS, que identifica automaticamente navios que contam com esta tecnologia, para a coleta de dados das embarcações. Assim, a central conseguirá acompanhar…
A Monsanto decidiu há três anos iniciar um processo de transformação logística, com foco no desenvolvimento de três pilares: processos, pessoas e sistemas. Com esta reformulação, a área de logística passou a participar do planejamento estratégico e das tomadas de decisões. Foi nesta época que a companhia revisitou suas operações, identificou gargalos, estabeleceu um plano de ação e promoveu alterações nos processos logísticos, envolvendo a movimentação de sementes e produtos químicos. Em relação a sistemas, a implementação do TMS (Transportation Management System) representou uma grande inovação para otimizar os processos ao longo da cadeia, pois a ferramenta possui módulos de compra, planejamento, execução, pagamento e inteligência, que permite direcionar as estratégias operacionais com o menor custo e níveis de serviço. “O Brasil foi o primeiro país a utilizar o TMS dentro da Monsanto, nossa meta é reforçar a integração entre toda a cadeia, dar visibilidade e fomentar a automação dos…
O saldo recorde de US$ 67 bilhões da balança comercial brasileira em 2017 foi possível principalmente pelo aumento nas exportações de produtos básicos, sem acabamento ou tecnologia envolvida, como minério de ferro, petróleo e produtos agrícolas. Segundo números do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), as vendas de produtos básicos ao exterior saltaram de US$ 79,15 bilhões em 2016 para US$ 101 bilhões em 2017, alta de 28,7%. EXPORTAÇÕES DO BRASIL EM 2017 As exportações de produtos manufaturados (industrializados, que possuem maior valor agregado e que geram mais empregos na fabricação) também aumentaram, mas bem menos: de US$ 73,92 bilhões para US$ 80,25 bilhões, alta de 9,4%. Como consequência, a participação dos produtos básicos no total das exportações brasileiras atingiu 46,4%, o maior percentual dos últimos três anos. Já a dos manufaturados foi em 2017 a menor dos últimos três anos: 36,9% do total. Segundo o secretário de…
A polêmica em torno do Decreto 9.048/2017, que revisou a regulamentação da Lei dos Portos, de 2013, não deve impedir a liberação de mais 51 pedidos de autorizações para instalações privadas, com investimento previsto de R$ 4,3 bilhões, na Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). Empreendimentos - Desse total, 37 empreendimentos estão associados a terminais de uso privado (TUPs), que somam R$ 3,4 bilhões. Outros 12 terminais privados são de transbordo de carga (ETCs), orçados em R$ 500 milhões. O restante envolve duas instalações portuárias de turismo (IPTs), com R$ 328 milhões programados. Decreto - O diretor-geral da Antaq, Adalberto Tokarski, afirmou que o ritmo acelerado de análise dos pedidos se deve à aplicação do decreto, de maio do ano passado, que é contestado desde a publicação. As suspeitas sobre o atendimento indevido de pleitos do setor resultaram em novo pedido de inquérito contra o presidente Michel Temer. As investigações…
Nas instalações do Estaleiro Mauá, em Niterói (RJ), três navios-tanque, do tipo Panamax, permanecem com as obras paralisadas e com destino incerto. A construção das embarcações foi contratada pela Transpetro, a subsidiária de logística da Petrobras, ao Eisa Petro Um, sociedade de propósito específico ligada ao Synergy Shipyard, do empresário German Efromovich. Os navios fazem parte do Programa de Expansão e Modernização da Frota (Promef), lançado pela Transpetro na gestão do ex-presidente da empresa, Sérgio Machado, que se tornou delator na Operação Lava Jato. Os navios parados no Mauá, onde o Eisa Petro Um opera, fazem parte de um lote de quatro Panamax encomendados pela Transpetro à empresa, dos quais somente um foi entregue. O investimento nas quatro embarcações é estimado em R$ 1 bilhão, dos quais cerca de R$ 800 milhões foram financiados pelo Fundo da Marinha Mercante (FMM), tendo o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)…
Nas instalações do Estaleiro Mauá, em Niterói (RJ), três navios-tanque, do tipo Panamax, permanecem com as obras paralisadas e com destino incerto. A construção das embarcações foi contratada pela Transpetro, a subsidiária de logística da Petrobras, ao Eisa Petro Um, sociedade de propósito específico ligada ao Synergy Shipyard, do empresário German Efromovich. Os navios fazem parte do Programa de Expansão e Modernização da Frota (Promef), lançado pela Transpetro na gestão do ex-presidente da empresa, Sérgio Machado, que se tornou delator na Operação Lava Jato. Os navios parados no Mauá, onde o Eisa Petro Um opera, fazem parte de um lote de quatro Panamax encomendados pela Transpetro à empresa, dos quais somente um foi entregue. O investimento nas quatro embarcações é estimado em R$ 1 bilhão, dos quais cerca de R$ 800 milhões foram financiados pelo Fundo da Marinha Mercante (FMM), tendo o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)…
Pagina 9 de 213