Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish
Por De São Paulo - Autoridades do governo do Estado de São Paulo estimam que é possível transportar pelo menos o triplo de carga pela hidrovia Tietê-Paraná. Mas essa capacidade só vai ser atingida em 2018, após uma série de investimentos por parte dos governos estadual e federal. Hoje, operadores transportam, com dificuldades, cerca de 5 milhões de toneladas de cargas, como milho, soja, óleo, madeira, carvão e adubo. A hidrovia liga cinco Estados brasileiros (Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo) em 2,4 mil quilômetros navegáveis. Um de seus principais problemas é a curta distância entre os pilares das pontes, o que obriga o comboio de quatro barcaças a se dividir em dois. Ou seja, o empurrador atravessa por baixo da ponte com metade da carga, larga as barcaças e retorna para buscar o resto. Essa operação chega a durar duas horas e meia -…
O governo brasileiro prepara uma resposta "dura" à Argentina, caso o governo do país prejudique exportações brasileiras com a recém-divulgada resolução da Administração Federal de Ingressos Públicos, que obriga os importadores naquele país a apresentarem declaração formal antecipada com a programação de compras de bens de consumo no exterior. A medida, segundo nota do Ministério do Desenvolvimento, foi recebida com "preocupação". Uma autoridade próxima à presidente Dilma Rousseff disse ao Valor que o governo não está disposto a tolerar, como no ano passado, barreiras injustificadas aos produtos brasileiros. Segundo o auxiliar de Dilma, o período eleitoral argentino, durante 2011, fez com que Dilma, para evitar "politização" do tema, determinasse flexibilidade no trato com o governo vizinho. A Argentina tem atrasado - às vezes por mais de 60 dias - a liberação de licenças de importação para bens de consumo como automóveis, partes e peças, máquinas agrícolas, calçados e alimentos. Com…
Apesar da forte concorrência, a expectativa é de que os pesados investimentos exigidos não permitam ágios elevados sobre os lances mínimos BRASÍLIA/SÃO PAULO - A menos de um mês para o leilão de concessão dos aeroportos de Guarulhos (SP), Viracopos (SP) e Brasília, ao menos 14 empresas, das quais cinco estrangeiras, estão negociando a formação de consórcios para entrar na disputa prevista para 6 de fevereiro. Apesar da forte concorrência, a expectativa é de que os pesados investimentos exigidos nos empreendimentos não permitam ágios elevados sobre os lances mínimos. A concessão dos terminais aeroportuários é a grande aposta do governo para garantir, com recursos privados, a expansão necessária para suportar o forte aumento da demanda por transporte aéreo no Brasil, que vem ocorrendo há anos e vai acelerar ainda mais com a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. Segundo duas fontes que acompanham o…
Trajeto era feito apenas entre Vitória e Governador Valadares. Velocidade será monitorada e batedor fará acompanhamento. As viagens de trem entre Belo Horizonte - Vitória serão retomadas nesta sexta-feira (13). Elas haviam sido suspensas nesta semana porque a ferrovia estava interditada, em vários pontos, por causa da chuva. Segundo a empresa que administra o transporte, por medidas de segurança, a velocidade da composição será mais baixa, e um batedor vai monitorar o tráfego antes da passagem do trem. O trajeto Vitória – Governador Valadares seguia operando normalmente, com partida diária da capital capixaba às 7h. Após chegar à cidade mineira, o trem retornava com os passageiros ao Espírito Santo. Outras informações pelo telefone 0800 285 7000. Fonte: G1.com
O Brasil está reconquistando um bom mercado para a carne bovina: o Chile. O país, que era um grande importador, havia fechado as portas ao produto brasileiro em 2005, após a ocorrência da febre aftosa no Estado de Mato Grosso do Sul. No ano passado, os chilenos importaram o correspondente a US$ 209 milhões em carne bovina brasileira, o dobro do que haviam comprado em 2010, de acordo com publicado na edição de hoje do jornal Folha de S. Paulo. Fonte: Folha de S.Paulo/Aduaneiras 
Portos baianos poderão ganhar novos terminais A realização de um estudo para a criação de um segundo terminal de contêineres nos portos baianos e para a criação de um terminal graneleiro no Porto de Salvador será decisivo para a implantação dos espaços. Um contrato assinado entre a Companhia de Docas da Bahia (Codeba) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV) permitirá a empresa obter um resultado quanto a necessidade da criação dos novos terminais para atracação de navios. O estudo deverá ficar pronto dentro de um ano.   Se aprovados, os projetos de criação do novo terminal para a operação de contêineres e o terminal graneleiro deverão render investimentos privados de R$30 milhões, respectivamente. Sem contar às melhorias que precisam ser feitas pelo poder público, os investidores precisarão construir berços (áreas para a atracação dos navios), aterro e adquirir os equipamentos necessários à operação.  O Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) dos…
As commodities vendidas ao exterior não só avançaram de 65% em 2009 para os atuais 70% de participação na exportação brasileira como também passaram por um processo de maior "empobrecimento". O fenômeno é evidente no grupo dos cinco produtos mais importantes da pauta de exportação brasileira - minério de ferro, petróleo, soja, açúcar e café. Dentro de cada um desses grupos, os embarques dos produtos mais básicos cresceram em ritmo mais acelerado do que aqueles com maior valor agregado. Dentro do complexo soja, por exemplo, a exportação do grão avançou desde 2005 muito mais que rapidamente que os embarques de farelo e óleo. De janeiro a novembro do ano passado, a soja em grão representou 68% dos US$ 22,97 bilhões exportados com o produto e seus derivados. Nos mesmos meses de 2005, essa fatia era de 57,3%. Há seis anos, a venda ao exterior de farelo de soja equivalia a…
Cursos duram no máximo cinco dias Para quem busca uma colocação no mercado de trabalho ou pretende aprimorar seus conhecimentos, a Fundação Settaport oferece cursos rápidos, com duração de até cinco dias, voltados à área marítima e portuária.  Entre os cursos oferecidos, se destacam os de Vistoria de Contêineres e Conferência de Cargas. Ambas qualificações são constantes nos anúncios de emprego e requerem treinamento.  A entidade oferece também os cursos de Ship Planner I e II, Siscomex Carga, Inglês básico, Inglês Técnico Marítimo e Lingua Portuguesa. As aulas são ministradas durante a semana ou aos sábados, e o investimento não é alto. Associados pagam R$ 80,00 e não sócios pagam R$150,00. Os cursos de inglês básico e inglês técnico marítimo, que têm duração de três a quatro meses, custam R$100,00 por mês. No valor estão inclusos apostila e certificado. Informações e inscrições podem ser feitas pelo telefone (13) 3213-4900, ou…
As empresas importadoras de veículos que analisam a possibilidade de instalar fábrica no Brasil poderão ter uma boa notícia no fim do primeiro trimestre. A expectativa é de que o regime contemple uma flexibilização do decreto que aumentou em 30 pontos percentuais o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos com menos de 65% de nacionalização. - Se isso for concretizado, as empresas que começarem a produzir em território brasileiro teriam um período para adaptação, com o índice de nacionalização crescendo de forma gradual. No entanto, a briga para tornar o decreto mais flexível será responsabilidade de cada marca com interesse de nacionalizar a produção. De acordo com o presidente da Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores (Abeiva), José Luiz Gandini, o objetivo da entidade será diminuir o imposto para os carros importados, e não a flexibilização. Apesar de concordar que a exigência por um índice de nacionalização…
Pagina 210 de 220