Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish
Mais da metade dos industriais vê na crise econômica mundial um risco às empresas. Para 54% dos empresários, o atual cenário é incerto e afeta os negócios. Desses, 69% acreditam que a situação adversa da economia deve permanecer até, no máximo, o fim do próximo ano e 19% esperam que o quadro atual permaneça além de 2012. As informações são da Sondagem Especial: Cenário Econômico Mundial, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quinta-feira, 10 de novembro. A pesquisa foi feita entre 3 e 18 de outubro com 2.090 empresas. Dos três segmentos analisados pela pesquisa – indústria de transformação, extração mineral e construção –, a preocupação é maior entre os empresários da indústria de transformação: 57% deles consideram o cenário econômico mundial incerto e arriscado para as empresas. Esse percentual chega a 55% no setor extrativo e a 41% na indústria da construção. “As indústrias de transformação e…
Um dos grandes problemas do comércio exterior no Brasil é a alta carga tributária que incidem tanto na importação, quanto na exportação. Sobre a importação, além da alta carga tributária, deve-se considerar a complexa burocracia que incide sobre o processo, “as chamadas barreiras para fiscais, que muitas vezes inviabiliza a aquisição do produto no mercado interno”, explica a advogada Tatiane Gonini Paço, sócia-fundadora do escritório Gonini Paço e Maximo Patricio Advogados. Por outro lado, as exportações já não sofrem tanto com a tributação, “mas este entrave desponta e está relacionado às etapas finais do processo, ou seja, a burocracia alfandegária e os custos portuários”, explica. Atualmente, na importação os principais encargos são referentes ao II (Imposto sobre Importação), que é calculado sobre o valor aduaneiro; o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), calculado conforme a Tabela do IPI; o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), alíquota variável segundo as…
O estaleiro STX OSV Niterói lançou ao mar na última segunda-feira, 14/11, o PSV09 CD Sea Brasil. Encomendada pela recém instalada no Brasil, Deep Sea Supply Navegação Marítima, a embarcação foi concebida dentro dos mais avançados conceitos de sustentabilidade e proteção do meio ambiente. A embarcação, que tem contrato com a Petrobras e deverá operar em águas ultra profundas, tem 4.700 toneladas de porte bruto, 87,9 metros de comprimento total, 19 metros de boca moldada e 6,6 metros de calado máximo. Pode atingir a velocidade de 15 nós. A propulsão é diesel-elétrica com dois propulsores azimutais de 2.500 kW. O projeto é STX NOD 425 e o financiamento é do Fundo da Marinha Mercante. A diretora da Agência Nacional do Petróleo, Magda Chambriad batizou a embarcação. Em seu discurso, que saiu do lugar comum das tradicionais palavras das madrinhas de navios, Magda ressaltou as perspectivas do mercado de petróleo no…
O derretimento recente do dólar na comparação com o real, visto antes até como um ponto favorável no combate à inflação para o comércio e aumento da atividade do setor, começa a preocupar o varejo. "O câmbio desceu a um patamar perigoso agora", considerou o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Júnior. "O remédio pode intoxicar se ficar por muito tempo", acrescentou. A avaliação é a de que o fortalecimento do real tem suscitado na indústria nacional a possibilidade de o empresário se tornar um mero distribuidor de importados, e não mais um produtor. "Antes, o dólar oscilava e voltava. Agora realmente faz com que o Brasil perca muita competitividade, não só no mercado externo como no interno. Isso afeta indústria nacional de forma pesada", considerou. O temor do comércio é o de que a desindustrialização afete o nível de emprego, de renda e acabe afetando…
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, sinalizou nesta quinta-feira (7) preocupação maior com o câmbio apreciado do que com a alta dos preços no Brasil. Ele disse que não está perdendo o sono com a inflação, pois a considera "sob controle". Mas afirmou que "está perdendo um pouco o sono" com a valorização do real, pelo efeito negativo sobre o setor manufatureiro. O ministro voltou a afirmar que está "sempre avaliando medidas" para conter o câmbio, mas não quis detalhar o tema. "Não posso dizer, é surpresa". Conforme o ministro, o Brasil não vai deixar de subir os juros, se necessário, por causa do câmbio. "A inflação é uma preocupação permanente, é uma questão de honra, não vamos deixar subir". Entretanto, ele insistiu que todos os índices de preços estão caindo. Mantega também voltou a dizer que a economia brasileira não está superaquecida. O problema, segundo ele, é que as…
Após um ano do anúncio do acordo de acionistas, o Banco do Brasil e a Mapfre anunciaram nesta terça-feira (5) o início de sua operação conjunta. A associação criou o segundo maior grupo segurador do país, com faturamento de R$ 8,6 bilhões em 2010, atrás apenas do Bradesco. Uma das linhas que mais deve crescer dentro da companhia é a de grandes riscos (o que inclui seguro de engenharia, patrimonial, garantia, entre outros), diz Marcos Eduardo Ferreira, presidente da holding do grupo que tem foco nos seguros de danos, como apólice de veículos e riscos industriais. Antes do acordo, só a Mapfre atuava com grandes riscos. Com a associação, BB estreia no segmento também. 'Em grandes riscos devemos fazer uma associação (joint-venture) com algum player que já atua com esses ramos lá de fora para alcançarmos o crescimento esperado pelos acionistas', afirma Roberto Barroso, presidente da holding do grupo responsável…
Representantes do governo da Espanha e de 11 empresas de tecnologia daquele país então no Brasil para negociar parcerias com a indústria nacional e com órgãos do governo brasileiro na área de telecomunicações e internet. Nesta terça-feira (5), o grupo se reuniu com o secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez, para explicar os planos e pedir a ajuda do governo brasileiro para encontrar possíveis parceiros nos investimentos que pretendem fazer no país. O secretário de estado de Telecomunicações e para a Sociedade da Informação da Espanha, Juan Junquera Temprano, que chefiou a delegação na reunião com Alvarez, disse que um dos objetivos dos empresários espanhóis é formar joint-ventures com empresas brasileiras e investir em áreas como infraestrutura, além de serviços como e-government (governo eletrônico). Além do Ministério das Comunicações, o grupo tem encontro marcado com representantes do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), além dos governos do Rio…
Superintendente do Sebrae destaca crescimento nas áreas de turismo, gastronomia, artesanato, eventos, construção civil e tecnologia da informação. As oportunidades se concentram nas 12 cidades sede e nas cidades vizinhas.
SÃO PAULO - Governo e empresas estudam desenvolver, juntamente com a segunda etapa da Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP), uma nova estratégia para aprimorar o comércio exterior do Brasil. A informação foi dada nesta segunda-feira pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, que participou de reunião promovida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em São Paulo. 'Não faz sentido termos uma política de desenvolvimento produtivo se não tivermos, paralelo a ela, uma política de comércio exterior acertada com o setor produtivo', disse Pimentel após debater o assunto com representantes do segmento empresarial por mais de duas horas, a portas fechadas. 'Essa estratégia terá foco no longo prazo para definirmos como vamos agregar mais valor às nossas exportações e reduzirmos nossa dependência de importações, em alguns casos', complementou. O ministro confirmou que a PDP 2 será lançada até meados de abril, como comentou nesta manhã o presidente do…
Pagina 210 de 210