Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish
Quarta, 04 Dezembro 2013 10:03

Governo investe para melhorar escoamento da produção de grãos

Por SAC Clipping

Apesar do exuberante desempenho que o Brasil vem apresentando na produção de grãos, que supre não somente o abastecimento interno, como faz do país um dos maiores exportadores do mundo, os produtores vêm enfrentando dificuldades no escoamento dos produtos do campo.

A licitação de um dos principais corredores de exportação de grãos do país, a BR-163, traz à tona a discussão sobre os esforços logísticos empenhados pelo Governo Federal no intuito de solucionar tal questão.

“A perspectiva logística do agronegócio brasileiro realça uma inversão de rotas aos portos exportadores, com maior ênfase para os terminais portuários das regiões Norte e Nordeste, criando um novo corredor de escoamento da safra agrícola e trazendo maior viabilidade econômica aos produtores dessas regiões”, explica o representante do Departamento de Infraestrutura e Logística do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Carlos Alberto Batista. “Essa reviravolta só se faz possível com vultosos investimentos em obras na malha rodoviária, ferroviária e hidroviária da metade norte do país”, esclarece Batista.

Em 30 anos de contrato, serão investidos R$ 4,6 bilhões na rodovia BR-163/MT, cujo trecho entre Sinop e Itiquira no Mato Grosso foi concedido à Odebrecht na última quarta-feira (27). Pelo trecho concedido, são escoadas atualmente mais de 10 milhões de toneladas de grãos por ano, segundo dados do Mapa. A BR-163/MT é uma das principais vias de escoamento da região Centro-Oeste.

A duplicação de 453,6 quilômetros da BR-163 aliviará o atual movimento de cargas em direção ao porto de Santos (SP) e Paranaguá (PR). No sentido norte da rodovia, os caminhões poderão trafegar até o Pará, em direção ao sistema portuário Miritituba/Santarém, que está sendo preparado para se tornar novo polo de exportação brasileira. A partir de Sinop no Mato Grosso, limite norte da concessão da BR-163/MT, até Guarantã do Norte (MT), a rodovia já está implantada. De Guarantã do Norte (MT) até o porto de Santarém (PA), as obras de implementação já foram iniciadas pelo DNIT e devem ser concluídas em dezembro de 2015. No sentido sul, a BR-163/MS também será concedida, pelo Programa de Investimento em Logística, desde a divisa de Mato Grosso com o Mato Grosso do Sul até os limites com o estado do Paraná, informou o Ministério dos Transportes.

O Ministério da Agricultura, por meio da Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio, busca levantar as necessidades do agronegócio com relação à movimentação e escoamento de safra, tanto para o abastecimento interno como para a exportação. O gargalo no escoamento da produção agrícola faz parte da pauta permanente da Câmara, composta por 65 instituições públicas e privadas e coordenada pelo Departamento de Infraestrutura e Logística da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo do Mapa (Diel/SDC/Mapa), que busca despachar os encaminhamentos da instância aos órgãos que elaboram as políticas específicas sobre o tema.

A preocupação com a situação do escoamento da safra no próximo ano também tem sido pauta de ministros. Na quinta-feira, dia 28 de novembro, os ministros da Agricultura, Antônio Andrade, da Secretaria de Portos, Antonio Henrique Silveira, e dos Transportes, César Borges, estiveram reunidos para discutir medidas que minimizem os problemas provocados nas cidades devido ao transporte da produção, que começa a ser mais intenso no início de 2014. Como a maioria das obras está em andamento, as principais soluções imediatas deverão ser de gestão.

Análise do tráfego

Com o intuito de acompanhar as obras do governo federal e verificar as condições de trafegabilidade das rodovias de interesse ao escoamento de grãos, surge o Movimento Pró-Logística. O Movimento, que reúne entidades do setor produtivo do Mato Grosso, avalia as obras e oferece ao governo um relatório que serve a uma fiscalização mais precisa por parte da União. “Todo o assunto relacionado à infraestrutura e logística é tratado por esse movimento em nome de todas as entidades”, esclarece o diretor executivo, Edeon Ferreira. A forma de acompanhamento da evolução das obras se dá por meio dos “estradeiros”. “Estradeiros são caravanas compostas por produtores, técnicos e entidades, que procuram avaliar a implantação e pavimentação das rodovias, bem como a qualidade da obra que está sendo executada”, ressalta Edeon.

A convite do Movimento Pró-Logística, representantes do Mapa participaram entre os dias 18 e 21 de novembro do último estradeiro feito pela BR-163, obra acompanhada desde o início da pavimentação. Ao final do estradeiro, foi elaborado um relatório com fotografias e comentários e encaminhado ao Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT). Também foi realizado o “Simpósio – O Corredor BR-163” em Sinop.

“Estas soluções logísticas reduzirão o percurso da produção gerada acima do paralelo 16º sul em até 700 km, ampliando significativamente, até 2020, o volume de grãos transportados pelos modais rodoviário, ferroviário e hidroviário. Isso indica um novo cenário para a competitividade da soja e milho destinados à exportação, dada a esperada redução do custo logístico da movimentação desses produtos desde as áreas de produção até um porto exportador”, concluiu o secretário de Desenvolvimento Agropecuário de Cooperativismo do Mapa, Caio Rocha.

Fonte: Jornal Dia a Dia