Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish
Negócios e Oportunidades - SAC Armazenagem & Modais
Dona de concessões de rodovias uniu-se ao grupo Brax, de logística, para investir A EcoRodovias, dona de concessões de rodovias, e o grupo Brax, de logística, se aliaram para investir no varejo. As duas empresas vão estrear no segmento com a construção de um outlet às margens da rodovia Ayrton Senna/Carvalho Pinto, administrada pela Ecopistas, empresa controlada pela EcoRodovias. Com investimento previsto de R$ 100 milhões, o projeto terá 23 mil metros quadrados de área bruta locável e 120 lojas. O novo outlet faz parte de uma estratégia da EcoRodovias, definida há quase três anos, de investir em novos negócios nos arredores das rodovias administradas pelo grupo. ?Além de gerar mais tráfego para a rodovia, o outlet vai criar uma receita adicional à holding?, explica Erick Mitsuo, gerente corporativo de receitas acessórias da EcoRodovias. A EcoRodovias identificou a oportunidade para montar um outlet na rodovia e comprou um terreno de…
Quando a novata Logz Logística nasceu, em janeiro de 2010, o setor portuário vivia sob intensa incerteza regulatória. Na época, uma decisão do governo federal havia interrompido um dos mais promissores ciclos de investimentos privados no setor com a justificativa de concorrência desleal com os terminais arrendados nos portos públicos. Ainda assim, a Logz apostou numa reviravolta e se associou a importantes projetos, como o Porto de Itapoá e o Terminal de Santa Catarina (Tesc). Hoje, com os novos rumos traçados pelo modelo portuário - aprovado no primeiro semestre de 2013 -, o apetite da empresa (formada por fundos de investimentos administrados pela BRZ) foi renovado. Com seus parceiros, vai investir mais de R$ 1 bilhão na construção de um terminal e na expansão de empreendimentos existentes. Os planos não param por aí: a empresa tem mais R$ 850 milhões em caixa para garimpar negócios Brasil afora. Pode ser participação…
A proposta da empresa vencedora do leilão da BR-163 ficou em R$ 4,38 para cada 100 quilômetros da rodovia no trajeto que corta Mato Grosso do Sul. A Companhia de Participações em Concessões venceu o leilão na terça-feira (17) ao apresentar a valor de pedágio 52% menor que o teto estabelecido pelo edital, de R$ 9,27. A concessão da rodovia com 847 quilômetros de extensão no Estado será de 30 anos. De acordo com a Associação dos Produtores de Soja de MS, os benefícios da privatização predominarão em relação aos novos custos. “O impacto da privatização será positivo se levado em consideração a agilidade do escoamento, a conservação das estradas e o ritmo do fluxo”, destacou o presidente da associação, Almir Dalpasquale. Ele referiu-se às melhores condições de trafego, economia de combustível, durabilidade dos pneus e motores e, principalmente queda no número de acidentes na rodovia. “Por um lado temos…
Um crescimento muito forte dos investimentos em infraestrutura no próximo triênio, compreendido entre 2014 e 2016, é a aposta do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de acordo com o planejamento estratégico da instituição. O setor de logística lidera esse processo, disse hoje (18), no Rio de Janeiro, o presidente do banco, Luciano Coutinho. Ele tomou por base o sucesso observado nos recentes leilões de rodovias e aeroportos. Os investimentos projetados para logística no período atingem R$ 114 bilhões. Segundo o presidente do BNDES, as concessões são fundamentais para acelerar a trajetória do investimento no país. Informou que as concessões feitas no segundo semestre deste ano já agregaram em logística mais R$ 30 bilhões em contratos e investimento para o ano que vem. Coutinho estima que a média de novos investimentos em concessões será R$ 80 bilhões por ano, talvez já a partir de 2015. “Quanto mais, melhor.…
A proposta da empresa vencedora do leilão da BR-163 ficou em R$ 4,38 para cada 100 quilômetros da rodovia no trajeto que corta Mato Grosso do Sul. A CPC (Companhia de Participações em Concessões) venceu o leilão nesta terça-feira (17) ao apresentar a valor de pedágio 52% menor que o teto estabelecido pelo edital, de R$ 9,27. A concessão da rodovia com 847 quilômetros de extensão em MS será de 30 anos. De acordo com a Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul) os benefícios da privatização predominarão em relação aos novos custos. “O impacto da privatização será positivo se levado em consideração a agilidade do escoamento, a conservação das estradas e o ritmo do fluxo”, destaca o presidente da associação, Almir Dalpasquale, referindo-se às melhores condições de trafego, economia de combustível, durabilidade dos pneus e motores e, principalmente queda no número de acidentes na rodovia.…
A partir do dia 2 de janeiro terão preferência de embarque em um dos três berços do Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá os operadores de grãos que apresentarem melhores índices de produtividade. As novas regras, detalhadas na Ordem de Serviço 126, de 01 de outubro de 2013, deixarão um dos três berços do Corredor de Exportação com preferência na atracação para navios que forem embarcar cargas de até três terminais diferentes (com um mínimo de embarque de 18 mil toneladas de cada um deles). A configuração do Corredor de Exportação – que interliga 9 terminais, sete privados e dois públicos, ao sistema de correias conectadas a seis shiploaders – permite que os navios operem cargas de todos os terminais existentes. No entanto, as paradas operacionais causadas para a troca de terminal acabam atrasando a operação. O estudo estatístico mostrou que as melhores produtividades são conseguidas por navios que…
Em recente estudo encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e realizado pela consultoria Macrologistica, por meio da Ação Pró-Amazônica - que congrega todas as federações de indústria da região amazônica -, foi constatado que o custo da logística de transporte de cargana Amazônia Legal, é de R$ 17 bilhões/ano, ou o equivalente a 7,5% do PIB regional. O estudo também revelou que, se fossem superados os entraves que impedem ou dificultam a navegação nas hidrovias do rio Paraguay-Paraná, do rio Madeira, dos rios Teles Pires/Juruena-Tapajós, e do rio Tocantins, entre outros projetos, o custo logístico diminuiria em R$ 1,25 bi/ano, valor equivalente a 5% do PIB da região, tornando-a competitiva, com maior geração de empregos e renda. Junta-se aos benefícios econômicos e sociais o imensurável ganho ambiental, uma vez que esse modal de transporte é menos poluente do que as e rodovias que cortam os estados do Norte do…
Gerdau elogiou o programa de concessões de infraestrutura logística do governo federal, mas acrescentou que as necessidades do sistema de transporte do Brasil são grandes   O Brasil deve levar muitos anos para recuperar o tempo perdido e atingir níveis mundiais de competitividade, afirmou o presidente do conselho de administração da Gerdau, Jorge Gerdau, nesta terça-feira. Falando a jornalistas em evento no Rio de Janeiro, Gerdau elogiou o programa de concessões de infraestrutura logística do governo federal, mas acrescentou que as necessidades do sistema de transporte do Brasil são grandes. "O desafio da logística é enorme para o país e vamos levar anos para atingir padrões de custo de logística mundial", disse Gerdau, também membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), do governo federal. "O programa (de concessões) mostra que o sistema é inteligente e funciona, mas para que nós possamos atender a demanda de atraso logístico de…
Cálculos da consultoria Macrologística mostram que até 2020 a cifra será ainda maior, podendo chegar a R$ 33,5 bilhões O custo logístico na Amazônia Legal, região que envolve nove Estados (todos da Região Norte e mais o oeste do Maranhão e quase todo o território do Tocantins e de Mato Grosso), chega a R$ 17 bilhões por ano, revela levantamento da consultoria Macrologística. Em 2020, a cifra a ser gasta anualmente para a movimentação de bens na região será ainda maior, R$ 33,5 bilhões, de acordo com cálculos da consultoria. A Região Norte do Brasil é a mais carente do País em termos de infraestrutura para escoamento de bens consumidos internamente ou exportados. As condições das estradas são precárias e, embora haja longos trechos de rios com potencial para a navegação, apenas uma hidrovia funciona com regularidade atualmente: a formada pelos Rios Madeira e Amazonas. "Temos na Região Norte a…
Pagina 9 de 20