Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish
Isso mesmo, que tal a sua marca aparecer na página principal aqui do Sac Armazenagem? Temos vários pontos para a sua marca! Mande um e-mail para: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
A Portonave lidera a movimentação de contêineres no Sul do país, com 32% do mercado no primeiro trimestre, segundo a Datamar. O resultado se refere a contêineres cheios de longo curso. Com 172.518 TEUs movimentados no período, o porto registrou um crescimento de 39,6% se comparado com janeiro a março do ano passado. O Terminal Portuário de Navegantes representou 12% do total de contêineres que o Brasil movimentou no primeiro trimestre desse ano, ficando em segundo lugar no ranking do país, atrás do Porto de Santos. O resultado da Companhia vai ao encontro da recuperação do mercado catarinense. Apesar de ter encolhido em relação a fevereiro, a produção industrial do estado fechou março com um acréscimo de 36,5% no comparativo com o mesmo mês em 2020. O resultado coloca Santa Catarina com a maior alta entre 15 locais pesquisados pelo IBGE, com dados divulgados nessa semana. Um dos destaques é…
A Log-In Logística Intermodal concluiu na quinta-feira (13) sua quarta emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações, no valor de R$ 340 milhões e prazo total de seis anos. Com isso, parte da dívida de longo prazo da companhia foi amortizada e o vencimento alongado para 2027. Os recursos obtidos nessa transação foram utilizados para pagamento integral antecipado de um financiamento que venceria em 2023, no valor aproximado de R$ 330 milhões, contraídos no passado com algumas instituições financeiras. De acordo com o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Log-In, Pascoal Gomes, essa operação demonstra a capacidade da Log-In em honrar seus compromissos junto às instituições financeiras. “Conseguimos alongar o calendário de amortização de dívidas, reduzindo o risco de liquidez e, consequentemente, uma melhoria da percepção de risco. A operação permitiu também descruzar importantes garantias, o que vai permitir à companhia captar melhores financiamentos para novos projetos…
As incertezas provocadas pela pandemia têm levado as empresas a fazer esforços adicionais para melhorar a gestão do caixa num período de recursos escassos. Um sinal disso é o aumento das cargas nos terminais alfandegados, usados como parte da estratégia de importadores para postergar o pagamento de impostos na nacionalização dos produtos. Segundo o grupo de logística Localfrio, esse é um dos principais motivos por trás da alta de 17% no número de contêineres armazenados em sua área do Guarujá (SP) no primeiro trimestre. No terminal de Suape (PE), a alta foi de 13% no período. Entre as principais cargas armazenadas estão alimentos, bebidas, componentes eletrônicos e produtos químicos. Além de escalonar o pagamento de tributos, a estratégia evita multas por demora na liberação de contêineres no porto e também permite administrar melhor os efeitos da variação cambial na hora de nacionalizar as mercadorias. Fonte: Estadão
Terminal gaúcho movimentou 10.803 toneladas entre janeiro e março contra 1.085 toneladas em 2020. Rota traz benefícios como proximidade e custos A exportação de cargas agropecuárias do Uruguai pelo Porto do Rio Grande (RS) tem sido uma estratégia cada vez mais usada por produtores do país vizinho, que buscam diversificar os caminhos da safra e da produção animal. No primeiro trimestre de 2021, a Wilson Sons, que opera terminal de contêineres no porto, registrou crescimento superior a dez vezes na movimentação de proteína animal proveniente de frigoríficos uruguaios em relação a igual período de 2020. O terminal gaúcho movimentou, entre janeiro e março deste ano, 828 TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés) de carga, o correspondente a 10.803 toneladas, ante os 102 TEU (1.085 toneladas) movimentados nos três primeiros meses de 2020. Apenas em março, o Tecon Rio Grande recebeu 284 TEUs (3.693 toneladas) de carnes do…
O ano de 2021 já entrou para a história da infraestrutura como o pior período de investimentos públicos na área de transportes nas duas últimas décadas. Nunca o governo federal investiu tão pouco em estradas federais, portos, aeroportos e ferrovias. A situação grave, aprofundada pelo rombo nas contas públicas, encontra alguma reação nas concessões que são feitas ao setor privado. Ocorre que nem tudo interessa a empresas, mas apenas aquilo que pode render lucro. Restam, assim, 55 mil quilômetros de estradas federais que, na melhor das hipóteses, terão dinheiro neste ano para tapar alguns buracos. Nada mais. São os dados públicos e oficiais que revelam um cenário agonizante. A Confederação Nacional do Transporte (CNT) fez um levantamento dos aportes feitos exclusivamente pelo governo na malha de transporte do País, em todos os seus modais, desde 2001, a partir do sistema Siga Brasil. Os dados, então, foram corrigidos pela inflação a…
A empresa pública Portos do Paraná está concluindo estudo técnico para aumentar a capacidade e a competitividade dos terminais de Paranaguá e Antonina. O projeto, que deve ser validado ainda neste mês de maio, avalia ações de melhorias no canal de acesso – trecho que liga o mar aberto ao cais do porto. A expectativa é ampliar o calado operacional, ou seja, a distância entre a lâmina d’água e o fundo do mar, e permitir que os terminais recebam navios maiores e com mais carga. A meta de dragagem para aumentar o calado é a mais ousada da história dos portos paranaenses. Atualmente, os navios operam com profundidade de 12,5 metros para entrar no Porto de Paranaguá e de 8,5 no Porto de Antonina. O objetivo é alcançar 15,5 e 12,5 metros, respectivamente. “O calado operacional limita o tamanho do navio e também a quantidade de produtos que ele consegue…
O Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu nesta quarta-feira (5), por cinco votos a três, prorrogar parcialmente o contrato da empresa Marimex, que armazena contêineres no Porto de Santos (SP). A prorrogação é válida até 2025 ou até que o novo operador ferroviário do porto seja contratado. O Ministério da Infraestrutura não tinha interesse na prorrogação porque deseja construir na área ocupada pela Marimex um novo terminal de fertilizantes e uma pera ferroviária (pátio para escoamento de cargas). Para isso, queria fazer uma nova licitação para a área. Procurados, a Santos Port Authority (administradora do porto) e o Ministério da Infraestrutura informaram que "aguardam a publicação do acórdão do Tribunal de Contas da União para definir os próximos passos em relação ao plano de expansão da ferrovia no Porto de Santos". O ministro relator do caso, Vital do Rêgo, foi favorável à prorrogação parcial do contrato por entender que…
Os portos públicos e privados movimentaram 296 milhões de toneladas no último trimestre de 2020, um avanço de 3,8% (+ 11 milhões de toneladas) em relação ao igual período de 2019. Os dados são do Boletim Aquaviário da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). Um dos destaques do período foi a movimentação de contêneires pela navegação de longo curso, que cresceu 8% no embarque (exportação) e 16% no desembarque (importação). Quase todas as instalações portuárias brasileiras que movimentaram esse tipo de carga tiveram aumentos importantes, com destaque para o Porto de Santos/SP (+7,2%); terminal da Portonave/SC (+31,7%); terminal DP World/SP (+11,2%); e Porto de Itajaí/SC (+19,5%). O Boletim apresenta os valores de THC (Terminal Handling Charge) nos principais terminais portuários do mundo, constatando que, no 4º trimestre de 2020, esses valores apresentaram variação mínima em comparação com os preços do 3º trimestre de 2020. Para o estudo, é utilizado o…
Pagina 1 de 245